Palavra de vida › 23/01/2017

Palavra de vida – Janeiro e Fevereiro 2017

Palavra de vida

Janeiro e fevereiro de 2017

“Quem ouve estas minhas palavras e as põe em prática é como um homem sensato que construiu sua casa sobre a rocha. Caiu a chuva, vieram as enchentes, os ventos deram contra a casa, mas a casa não desabou, porque estava construída sobre a rocha” (Mt 7, 24-25).

Esta palavra é a primeira parte de uma parábola que Jesus contou ao final do chamado Sermão da Montanha, que o Apóstolo e Evangelista São Mateus sintetizou em três capítulos do Santo Evangelho que escreveu (Mt 5-7). Depois desses ensinamentos na Montanha próxima ao Mar da Galileia, Jesus garantiu que quem ouve estas palavras e as põe em prática é semelhante a um homem inteligente, sensato e prudente que construiu a sua casa sobre a rocha.

A Palavra de Deus é para ser ouvida e praticada com igual responsabilidade, sensatez e prudência por quem a escuta.

Na segunda parte da parábola, Jesus diz que quem ouve suas palavras “e não as põe em prática é como um homem sem juízo, que construiu sua casa sobre a areia. Caiu a chuva, vieram as enchentes, os ventos sopraram e deram contra a casa, e ela desabou, e grande foi a sua ruína” (Mt 7, 26-27)

Nestes dias do Tempo do Natal e dos dois primeiros meses de 2017 muitos assuntos serão falados e vivenciados nas celebrações litúrgicas da Igreja. Não fiquemos indiferentes! Deus está falando conosco! Vamos colocar toda atenção na Palavra de Deus proclamada em nossas celebrações litúrgicas. Vamos colocar-nos no Presépio, como Maria Santíssima, São José, os pastores de ovelhas dos campos de Belém, os magos que vieram do oriente distante para ver o menino Jesus, os Anjos que vieram do Céu, cantando a Glória de Deus e a Paz para toda a humanidade amada por Deus!

A parábola da Casa construída sobre a rocha e da casa construída sobre a areia é, muitas vezes, proclamada na Celebração Litúrgica do Casamento Cristão. E isto não só porque a casa é um dos símbolos mais próximos da vida familiar, mas também para animar os cônjuges a construírem a sua família, ouvindo, dia a dia, a Palavra de Deus e colocando-a em prática na vida familiar.

O Papa Francisco, no dia 19 de Março deste ano 2016 que termina, enviou-nos uma Exortação Apostólica pós-sinodal sobre “o Amor na família”, cujo nome latim e “AMORIS LAETITIA”. Ela tem nove capítulos. É fruto de dois Sínodos, dos quais participaram com o Papa Francisco, Cardeais, Bispos, Teólogos, Religiosos e Religiosas que trabalham na Pastoral da Família, pais e mães de família (leigos e leigas, portanto) do mundo inteiro.

Foram dois sínodos que procuraram olhar de frente a “SITUAÇÃO” das famílias no mundo atual e, em oração, sentir o que Deus está dizendo para as famílias cristãs no tempo presente. Esta Exortação Apostólica precisamos ler, estudar, meditar, rezar e colocar emprática para que as nossas famílias sejam construídas como casas sobre a rocha. E vamos fazer isto a partir desta Palavra de Vida e do nosso 44° EAP, nos dias 3, 4 e 5 de fevereiro de 2017 no Caminho de Nazaré, na Enseada do Brito.

“A ALEGRIA DO AMOR” que se vive nas famílias é também o JÚBILO DA IGREJA. Apesar dos numerosos sinais de crise no matrimônio — como foi observado pelos Padres Sinodais — “o desejo de família permanece vivo nas jovens gerações”. Como resposta a este anseio, o anúncio cristão que diz respeito à família é deveras uma “boa notícia” (cfr. Amoris Laetitia, no 1, pág 7)

“Quem ouve estas minhas palavras (a respeito da família do amor na família, do Sacramento do Matrimônio, da Unidade e indissolubilidade do matrimônio, da missão de transmitir a vida aos filhos e zelar por ela desde a concepção até o seu fim natural, da educação da fé e vivência cristã da família) e as põe e prática, é como uma pessoa sensata que constrói a sua família sobre a rocha.”

No final da Exortação Apostólica “Amoris Laetitia”, o Papa Francisco faz uma oração à Sagrada Família que eu convido a rezarmos. (cfr. Amoris Laetitia, pag. 203)

“Jesus, Maria e José,

em Vós contemplamos

o esplendor do verdadeiro amor,

confiantes, a Vós nos consagramos.

Sagrada Família de Nazaré,

tornai também as nossas famílias

lugares de comunhão e cenáculos de oração,

autênticas escolas do Evangelho

e pequenas igrejas domésticas.

Sagrada Família de Nazaré,

que nunca mais haja nas famílias

episódios de violência, de fechamento e divisão;

e quem tiver sido ferido ou escandalizado

seja rapidamente consolado e curado.

Sagrada Família de Nazaré,

fazei que todos nos tornemos conscientes

do caráter sagrado e inviolável da família,

da sua beleza no projeto de Deus.

Jesus, Maria e José,

ouvi-nos e acolhei a nossa súplica.

Amém.”

Pe. Pedro Adolino Martendal
Diretor Espiritual

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.