Palavra de vida › 11/11/2021

Palavra de Vida – De 15 de Novembro a 31 de Dezembro de 2021

O que é a Palavra de Vida?

Palavra de Vida

Movimento Pólen. De 15 de Novembro a 31 de Dezembro de 2021 sobre: “A oração e a sabedoria da vida.”

“Vigiai e Orai.” (Mateus 26, 41)

  A reflexão que segue é da autoria de Dom Orlando Brandes, Arcebispo de Aparecida. Dom Orlando escreveu esta reflexão quando era administrador Diocesano de Joinville (SC) e Arcebispo Eleito para Londrina (Paraná). É uma reflexão eternamente atual. Orar é dimensão essencial da nossa vida. Que a reflexão de Dom Orlando nos ajude a viver a oração que é “a sabedoria da nossa vida.” (Pe. Pedro Martendal, Diretor Espiritual do Movimento Pólen)

A oração e a sabedoria da vida
Dom Orlando Brandes

  A oração ordena nossos afetos e nossa vida, potencializa nossa ação e nosso trabalho. A oração vence o mal e encaminha nossa marcha para Deus. Paulo rezava na prisão, Jesus rezou na condenação e na cruz, os mártires rezavam na execução violenta de suas vidas. Pela oração, a alegria se torna mais forte que o sofrimento. Ela é a alavanca que move o mundo, transforma este vale de lágrimas em jardim.

  A oração é um encontro de amigos, uma questão de amizade, uma relação de aliança em que existe troca de olhares, confidência de corações, revelação de interioridades. Tudo isso alimenta o compromisso de transformar a realidade. Os grandes orantes são também grandes missionários, gigantes na solidariedade, fortes na elevação dos pobres. Quem reza bebe na fonte, cumula energias interiores, retifica o que está errado, encoraja os deprimidos, acerta rumos e direções.

  A oração é um encontro com a verdade. Daí o medo de rezar, de silenciar, de enfrentar nosso lodo existencial. Na escola da oração, podemos recuperar o que foi perdido e ferido. Há um poder de humanização na experiência da oração. Muitas vezes passamos por um combate, um drama, um novo parto pela força da oração, que também é uma iluminação. Quantos doentes se recuperam pelo remédio poderoso da oração e têm a vida prolongada. Por ser preciosa e eficaz, a oração tem um preço, exigências, condições. Vejamos algumas: o local, o horário, a perseverança, a disciplina, o perdão das mágoas e um mínimo de ética. Quem está afundando na lama não consegue rezar com profundidade. Mesmo assim, não deve desistir de rezar. Quem abandona a oração desce ao nível do animal. O ser humano tem tendência para a animalidade e para a santidade. A oração potencializa a santidade, nos torna mais sadios, empreendedores e ousados. O orante se transforma num manancial de onde brotam rios que deságuam no oceano da eternidade.

  É uma desgraça não rezar, é uma pena não acreditar no poder da oração. É uma perda irrecuperável não aprender a rezar. Pais que não ensinam os filhos a rezar cometem uma injustiça em relação à transcendência inerente à pessoa humana. Negamos a comida espiritual, fechamos a fonte de inspiração, de soluções, de horizontes, de descobertas para nossos filhos. Geramos atletas físicos, mas mendigos de afeto e de espírito. Daí o fácil e atraente fascínio pelo sexo, alcoolismo, drogas e, pior ainda, a insuportável solidão e o vazio horroroso da vida. Quem abandona a oração abraça a tentação. Salvemos a oração e ela nos salvará do vazio existencial, da solidão, da desumanização.

  Sim, rezar é um ato de humildade, de carência, de filiação, de necessidade. Mais que falar da oração, demos o exemplo de pessoas orantes. Quem não se comove vendo um pai, um médico, um padre, um jovem moderno rezar? A oração é força do homem e comoção de Deus.

Dom Orlando Brandes,
arcebispo de Aparecida

Dowload do Arquivo PDF

Fonte da imagem de capa: https://it.wikipedia.org/wiki/File:Andrea_Mantegna_036.jpg

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.